Volume 4 número 115.11.2010
Editores Sergio Capparelli | Maria da Glória Bordini | Regina Zilberman

ISSN 1982-9434

Volume 4 número 1


O Tigre está de boca cheia


O Tigre Albino revisa o seu andar nesses quatro anos. Em dez números, trouxe ao leitor brasileiro textos de qualidade sobre poesia para crianças. Atuou como um periscópio que faz uma varredura do que foi ou vem sendo feito, examina detidamente o que surge no seu campo de visão e envia suas reflexões para avanços ou correções de rota.
Neste número o Tigre vem ao público com dois objetivos principais. O primeiro deles é discutir as relações entre a imagem e texto na ilustração de poesia para crianças. O segundo, prestar uma homenagem e apresentar ao público brasileiro a argentina Elena Walsh, uma maravilhosa autora de poesia para crianças.

Imprimir o texto


Neste número, Luís Pimentel discute as relações entre texto e imagem, abordando com perspicácia as funções da imagem, seus significados denotativos e conotativos e a presença de algumas figuras na linguagem visual.


Já a escritora e ilustradora Rosinha Queiroz tenta construir uma ponte entre os folhetos de cordel e o público infantil, não só em relação ao texto mas também no que diz respeito às ilustração, investindo na estética das xilogravuras. Ela relata aqui o uso de figuras nas ilustrações de livros infantis, especialmente em A história da garça encantada, A história da Princesa do Reino da Pedra FinaA história de Juvenal e o Dragão.

As relações entre texto e imagem não param aí. Tábita Wittman discute, entre outras coisas, a poesia de Mario Quintana e a imagem como ilustração no livro infantil, i propondo até mesmo a utilização de materiais não tradicionais nesse tipo de trabalho. Já o escritor, designer e professor da Puc-Rio, Guto Lins aprofunda as discussões sobre o tema em questão, na entrevista concedida a Annete Baldi.

Maria Elena Walsh, por outro lado, é uma figura literária que levanta muitas questões. E a primeira delas: por que uma escritora de primeira grandeza, reconhecida em todos os países da América Latina, mas também na Europa e Estados Unidos, não tem livros traduzidos no Brasil?

A escritora nasceu em Ramos Mejia, na Província de Buenos Aires, em fevereiro de 1930. Ela é dessas pessoas que circulam -e bem – em diversas áreas de atividades. Produz narrativas e poesias para crianças, tem uma grande discografia cujas canções crianças e adultos argentinos sabem de cor, dirigiu teatro e cinema, apresentou-se em cafés e teatros franceses e argentinos e atuou no teatro de variedades.

Trata-se de uma boa referência? Sim, mas no campo da poesia infantil a melhor referência são os próprios livros dessa autora. Para entender seu universo literário, o Tigre reproduz um artigo de Marina Herbst, intitulado María Elena Walsh y la opinión urgente, que nos chega às mãos através do ensaísta argentino José Luis Gómez-Martínez. Dentro do mesmo fôlego, a professora e tradutora Gláucia de Souza analisa as dificuldades e prazeres na tradução de Zoo Loco, de Walsh. Ee Sérgio Capparelli conta sua experiência do início dos anos 1979, sentado em um dos bancos do Zoológico de Palermo, em Buenos Aires, com um olho no Zoo Loco e outro nos espirros de uma morsa irrequieta.

Tigre 10 oferece também ao leitor um artigo de Edgar Roberto Kirchof, abordando as relações entre a poesia infantil e o universo do ciberespaço, enquanto a professora Hélen Queiroz defende que a poesia não existe apenas em livros. Ela relata a poesia em cena nos saraus poéticos que ela promove no Rio de Janeiro e em outras cidades brasileiras, como forma de trazer a poesia para dentro das crianças e as crianças para dentro da poesia.

Voltar ao sumário

Último Número

Quem Somos

Arquivos

Contribuições

Cartas



Cadastro

Nossas publicações acontecerão no dia 15 de novembro, 15 de março e 15 julho de cada ano. Se você quiser receber um lembrete a cada nova edição, preencha, sem qualquer custo, o formulário abaixo.








Tigre inquieto

Publica artigos sobre algum aspecto particular da poesia para crianças. Editores: Sérgio Capparelli, Regina Zilberman e Maria da Glória Bordini.

Tigre ao espelho

Contribui com discussões sobre o fazer poético mais amplo, em que a ilustração ou design se institui enquanto uma das vozes importantes da interlocução entre autor e leitor. O espelho apresentará autores ou ilustradores nacionais e estrangeiros, falando sobre seu trabalho, em entrevistas ou depoimentos. Editora: Annete Baldi

Tigre em movimento

Propõe o relato de trabalhos práticos com poesia infantil em qualquer nível educacional. Editora: Elizabeth D'Angelo Serra


Tigre digital

Ocupa-se de poéticas digitais para crianças, com descrição ou críticas de sites de poesia infantil no Brasil e no exterior. Editor: Miguel Rettenmaier.


Tigre à mesa

Apresenta ou publica críticas à produção editorial do período, dentro da área, tanto em relação a textos de reflexão como a livros, produtos ou espaços de poesia para crianças. Editor: Sérgio Capparelli.


Conselho Editorial
O Tigre Albino tem um Conselho Editorial integrado pelas seguintes pessoas:

Blanca Roig da USC e da LIJMI, Espanha;

Ezequiel Theodoro da Silva, da UNICAMP e da ALB, Brasil;

Isabel Mociño Gonzáles, da USC e da LIJMI, Espanha;

Laura Sandroni, da FNLIJ, Brasil;

Maria Antonieta Cunha, da PUC-MG, Brasil;

Marisa Lajolo, da UNICAMP e Mackenzie, Brasil;

Silvia Castrillon, da Asolectura, Colômbia;

Virgilio López Lemus, do ILL, FAyLUH e AChttp://fayl.uh.cu e ACC, de Cuba.












Mundo
da Leitura